• Página Principal
  • Radar EXEC
  • Transformação digital, meio ambiente e diversidade: conheça o perfil dos executivos mais solicitados pelas empresas, de acordo com pesquisa EXEC

Transformação digital, meio ambiente e diversidade: conheça o perfil dos executivos mais solicitados pelas empresas, de acordo com pesquisa EXEC

André Freire - Sócio da EXEC

Diversidade, sustentabilidade e mindset digital são conceitos que ocupam, hoje, as agendas de boa parte das organizações e começam a se transformar em competências profissionais.

Levantamento da EXEC verificou os perfis de profissionais mais desejados no mundo pós-pandemia, na visão de executivos do alto escalão. Confira o conteúdo em artigo do sócio André Freire, para o blog Radar EXEC:

Transformação digital, meio ambiente e diversidade: conheça o perfil dos executivos mais solicitados pelas empresas, de acordo com pesquisa EXEC

 

A crise do novo coronavírus está prestes a completar um ano desde o seu surgimento em Wuhan, na China, e, apesar de já estarmos nos recuperando deste momento, muitos impactos ainda são sentidos na sociedade. No que diz respeito às empresas, a pandemia revirou as rotinas de cabeça para baixo e, a fim de entender quais foram as principais consequências de todas estas mudanças, a EXEC, maior consultoria brasileira especializada na seleção de executivos do alto escalão e programas de desenvolvimento de liderança, ouviu 90 executivos C-Level em posição de comando em suas empresas, sendo 51% destas companhias com faturamento acima de R$500 milhões. Através de uma plataforma digital, os executivos tiveram a opção de responder em múltipla escolha, por ordem de importância, cada uma das avaliações.

Em destaque, 98% dos executivos afirmam que suas empresas demonstram interesse em contratações para novas posições ou substituição de profissionais no alto escalão. Entre os perfis mais desejados por estas empresas, 50% afirmaram priorizar habilidades comportamentais, 42% buscam profissionais com perfil mais digital, 29% afirmaram buscar executivos com perfis mais técnico, 23% apontam ser necessário contratar executivos mais experientes e, enquanto para 10%, os executivos com remuneração em níveis menores do que os atuais serão os mais demandados por suas companhias.

Além disso, a sustentabilidade está no radar de 51% dos executivos, pois afirmaram que as empresas pretendem contratar profissionais especializados no tema. No entanto, para 37%, não há no curto e médio prazo intenção de buscar especialistas na área.

Quando perguntados sobre quais os especialistas mais desejados por suas empresas considerando 3 das principais mudanças culturais nas organizações na última década, os executivos afirmaram o seguinte: 27% disseram priorizar a busca por profissionais especializados ou com afinidade em diversidade, 22,5% consideram contratar profissionais especializados na transformação digital, enquanto 9% apontam a necessidade de líderes especialistas em meio ambiente.

Isto nos mostra que, diferentemente de outras crises, a atual, ao invés de esfriar as políticas de inclusão nas empresas, acelerou os processos e as corporações passaram a incorporar de forma estruturada políticas de contratação voltadas para absorver talentos deste contexto de diversidade. E este é um fenômeno global que vem sendo discutido por consultorias fora do Brasil também.

Sobre remunerações, foi observado que nos primeiros seis meses do ano não houve redução de salários em 69% das empresas, cujos líderes do alto escalão participaram deste levantamento conduzido pela EXEC, enquanto 17% afirmaram ajustes que deflagaram planos de redução salarial entre 15% e 30%. Para 9%, as reduções ficaram na casa dos 15%.  Já 5,5% dos casos registram aumento de salário.

Entre as soluções em Recursos Humanos mais utilizadas pelas empresas no primeiro semestre, 65% dos profissionais apontaram o fortalecimento de cultura e valores da empresa, 60% investiram no desenvolvimento e formação de novas lideranças, 18% proporcionaram ferramentas de coaching para seus executivos do alto escalão, 17% das companhias investiram em programas de recrutamento e seleção de profissionais e 3,5% focaram investimentos na renovação ou estruturação de conselhos. O que nos mostra que a crise trouxe, além de todos os desafios, transformações em todos os sentidos.