Assessment de Cultura

Cintia Bortotto - Sócia da EXEC

Em tempos de transformação digital, sabemos que o maior desafio é a transformação cultural e de mindset.

A transformação que é permitida através de tantas tecnologias disruptivas tem afetado a maior parte dos negócios.

Na visão de Cíntia Bortotto, sócia da EXEC, que há mais de vinte anos atua em projetos de Recursos Humanos, liderando equipes de grandes empresas, o que tem sido observado no mercado é que existem três grandes grupos de empresas:

1. Empresas digitais – normalmente startups que já nasceram com o mindset digital. Neste ambiente, o principal desafio é entender os valores de sustentação do negócio, o propósito e as características dos principais líderes para que se possa desenvolvê-los. O objetivo final é que a empresa possa escalar ou crescer de maneira sustentável e rápida. Em geral, neste ambiente se encontra uma cultura mais fluída, que tem o desafio da estruturação para o crescimento.
2. Empresas que se encontram em mercados menos afetados pela transformação digital – neste ambiente o trabalho de cultura tende a trabalhar a diminuição do nível de entropia. Para este grupo de empresas a preocupação pela eficiência é de suma importância, portanto, diminuir a improdutividade é o aspecto que normalmente é trabalhado em projetos de cultura e mindset.
3. Empresas analógicas que precisam se transformar, pois estão em mercados altamente impactados pela transformação digital – aqui está a maior parte das empresas, desde segmentos muito afetados pelas novas tecnologias, como mídia e financeiro, até indústrias, todas já percebem a necessidade de mudança. O trabalho aqui, normalmente, é entender o que se tem em termos de valores e propósito e construir a cultura que sustentará a estratégia de crescimento da empresa. O que se nota ao longo desta construção é a necessidade de mudança de mindset da liderança, isso porque os paradigmas passados podem atrapalhar a maneira como será construída a estratégia de sustentação de negócios. Trabalhar o mindset digital, além das competências da liderança de futuro, são questões básicas para a transformação cultural. Dentro deste processo de transformação, outros temas devem ser considerados, como por exemplo o fit cultural no processo seletivo, a efetividade do onboarding para acelerar o aculturamento do novo colaborador, o acompanhamento da experiência do colaborador durante toda a sua jornada dentro da empresa e a medição do EVP (Employee Value Proposition) para garantir que o que é proposto pela marca está sendo entregue.

Diante deste cenário, a EXEC tem conduzido programas de transformação cultural em empresas variadas, com objetivos diferentes, mas sempre como plano de fundo o incremento de receita e diminuição da improdutividade.

“Os programas de transformação cultural permitem olhar para o que é valorizado e priorizado pela gestão e pelos demais níveis da organização, permitindo eventuais ajustes de percepção e ação, para que todos sigam na mesma direção”, afirma a consultora.

Ainda de acordo com Cíntia Bortotto, é muito comum que uma equipe - com ótimos colaboradores, inclusive - esteja desalinhada com os valores da empresa. "Acontece muito e pode ocorrer em empresas dos mais variados portes, setores, nacionalidades e origens", explica.

Na prática

Recentemente a EXEC iniciou um projeto para uma empresa de agronegócios que busca abrir capital. O projeto inclui o assessment cultural, conduzido em seis países, em quatro diferentes idiomas, com mais de dezessete mil colaboradores, em todos os níveis hierárquicos. O objetivo é melhorar a homogeneidade cultural após o forte crescimento feito por aquisições.

Mas, afinal, como o assessment de cultura pode contribuir para o sucesso da empresa e dos colaboradores? Elaboramos um passo a passo que explica todo o processo:

1- Definição e/ou Reforço do Propósito e dos Valores Organizacionais
A partir do assessment de cultura, há uma discussão com a liderança para a definição de valores que fomentam a transformação cultural, em prol do crescimento da empresa

2- Transformação cultural
Planejamento e gestão da mudança da cultura atual para a cultura desejada. Toda a jornada é planejada, incluindo aspectos de transformação de mindset da liderança, passando pelos ritos, cerimônias, símbolos, estruturas e processos e finalizando com o estabelecimento e reforço de valores da cultura futura.

3- Jornadas do Colaborador e EVP
Mapear a jornada do colaborador utilizando métodos de design e co-criação. Uma segunda sessão vincula valores e pontos positivos mapeados na jornada para trabalhar na marca empregadora (EVP – Employee Value Proposition) e estabelece maneiras de mensurar se de fato o valor proposto tem se efetivado no dia a dia.

Diferenciais EXEC

O assessment de cultura oferecido pela EXEC tem se diferenciado no mercado brasileiro, pois conta com a parceria de uma equipe de especialistas sediados em Londres, com grande experiência no tema. "Após enviarmos os dados para os nossos parceiros na Inglaterra, formatamos em conjunto um diagnóstico que projetará as mudanças de processos necessárias por meio de atividades e rituais que devolvam à equipe da empresa, as práticas e valores que precisam ser reforçados. Não é só uma avaliação, é uma reorganização das coisas”, concluí.

A demanda por este serviço, geralmente, acontece por parte dos gestores, RH's CEO's e outras lideranças das empresas. São estes profissionais que geralmente notam a falta de alinhamento ou a necessidade de ajustes entre equipe e gestão. "Nós sabemos que um dos pilares da empresa é a sua cultura e os seus valores, então por isso é muito importante olhar para este tema, cuidar deste fator", explica a sócia.

 Cintia Bortotto, Sócia da EXEC

Assessment de cultura