Indústria de alimentos movimenta as contratações no alto escalão

Indústria de alimentos movimenta as contratações no alto escalão

André Freire - Sócio Diretor da EXEC

Apesar de diversos setores econômicos terem sido afetados pela crise que se derivou do novo coronavírus - a qual felizmente está começando a ser controlada – muitas áreas demonstraram crescimento e, movidas justamente pelas novas necessidades criadas, aceleraram as contratações de cargos no alto escalão para o setor.

Este é caso da indústria de alimentos, cuja cadeia movimentou contratações e substituições de executivos nos últimos meses, justamente pelo fato de a alimentação ser um item essencial para nossa manutenção em sociedade e, diferente de outras cadeias, teve que acelerar nos primeiros meses da infecção. O setor sofre também grande influência da forte demanda chinesa por alimentos.

E o crescimento desta área impactou o trabalho da EXEC, que já tendo atuado neste ramo, viu-se ainda mais envolvida, realizando então, o recrutamento de cargos de liderança (CEOs, CFOs e Diretores de Operações) para a indústria alimentícia, desde a produção no campo, o processamento dos alimentos até o varejo na ponta.

Funções como logística, supply chain e comercial tem sido fortemente solicitadas, pois o alto consumo demandou habilidade técnica e alta capacidade de adaptação das novas lideranças, mas nós da EXEC nos surpreendemos mesmo com a quantidade de buscas de CEOs requisitadas durante a pandemia (foram 5 projetos de CEO no total nos últimos 6 meses, sendo um no agronegócio, dois em produtores de alimentos e dois em varejistas). Outra competência necessária nas lideranças do setor neste momento é a consciência digital. Isto porque a própria necessidade de distanciamento social, para conter o número de novos infectados, fez com que a indústria investisse pesado no e-commerce e atendimento digital. Principalmente aquelas cujo consumidor está acostumado ao atendimento presencial e ao contato direto com o produto, como a rede de supermercados Floresta, no estado do Rio de Janeiro, para qual a EXEC recrutou recentemente o seu novo CEO, Thiago Fontella.

Neste caso, o CEO teve que adaptar rapidamente o atendimento da rede ao digital sem perder de vista o perfil de seus consumidores. Trata-se do primeiro CEO profissional da rede de controle familiar, que buscou em um executivo mais jovem e inovador, para profissionalizar a gestão e operação da rede.

Outro fato que chama atenção nas recentes contratações de lideranças deste setor é a idade: geralmente os executivos são mais jovens, na faixa dos 40 anos. Porém, não é só a idade que conta, mas principalmente a força de vontade para acelerar e acompanhar as transformações deste momento.

André Freire, Sócio Diretor da EXEC