• Página Principal
  • Blog
  • Mentalidades Geniais – 3 semelhanças entre hábitos de atletas de ponta e executivos (as) de sucesso

Mentalidades Geniais – 3 semelhanças entre hábitos de atletas de ponta e executivos (as) de sucesso

Quanto tempo leva para se tornar um atleta de ponta? Quais são os sacrifícios a serem feitos para atingir tal nível de excelência? Qual o nível de comprometimento necessário para quebrar as barreiras da performance física? Todas essas são perguntas que todos, fãs de esporte ou não, já nos fizemos em algum momento.

Ao mesmo tempo, se trouxermos essas mesmas indagações para o mundo corporativo e compararmos as respostas de nomes renomados do esporte com a de executivos e executivas de sucesso, será que elas seriam muito diferentes?

Ao longo da minha trajetória como headhunter e após inúmeras conversas com líderes de diversas empresas, pude encontrar denominadores comuns entre comportamentos e hábitos de pessoas que atingem o sucesso no mundo corporativo com os de atletas de alto rendimento.

Por esse motivo, decidi elencar 3 pontos, que na minha opinião de especialista em executive search e ex-atleta, são as que mais se destacam quando analisamos o estilo de vida do que, em inglês, podemos chamar de “overachievers”, ou simplesmente pessoas que se destacam positivamente por sua performance no seu campo de atuação.

 

1 – Seu corpo é o seu templo

Todos sabemos disso, mas nem todos nós damos a devida atenção ao que temos de mais importante – a nossa saúde! Apesar do esporte ser, sem dúvidas, uma combinação de capacidade física atrelada ao mental, o corpo de um atleta é constantemente levado ao extremo, não só em competições, mas nas incansáveis rotinas de treino e intermináveis repetições.

Quando trazemos essa realidade ao mundo dos executivos, é claro que a capacidade física não é tão exigida quanto a de um atleta olímpico, por exemplo. Por outro lado, a constante necessidade de se lidar com pressão pode levar profissionais à um nível de stress altíssimo, chegando até a atingir crises de Burnout, o que infelizmente, não se é incomum de ouvir.

Por isso, estabelecer hábitos saudáveis é condição sine qua non para, não só o atingimento da alta performance, mas também para a manutenção de maneira saudável da mesma ao longo dos anos.

 

2 – Válvulas de escape

É muito comum que os grandes executivos tenham hobbies muito bem definidos e estabelecidos em suas rotinas. A prática de esportes costuma ser constante no dia a dia dos líderes que entrevisto. Seja qual for a atividade de preferência, todos precisamos de um momento para nos desligarmos das responsabilidades corporativas, familiares, ou sejam quais forem. Fato é que momentos em que estamos desconectados de compromissos nos ajudam a nos manter comprometidos no longo prazo.

Atletas também necessitam de períodos nos quais se desconectem completamente da realidade que vivem e busquem única e exclusivamente o lazer. Lembro-me de que quando era atleta pela minha universidade nos Estados Unidos, a última coisa que queria fazer no meu tempo livre era jogar futebol, pois isso já fazia parte das minhas obrigações diariamente. Sim, o apreço ao que fazemos é extremamente importante para atingir-se sucesso em qualquer área que for, mas a habilidade de desconectar quando necessário é que, normalmente, irá dizer o quão salutar será o processo até chegarmos ao topo.

 

3 – Clareza de onde querem chegar

Quando busco entender as razões de movimentação dos executivos de sucesso ao longo da carreira, os motivos são diversos, mas tendem a se resumir em uma grande razão – a falta de clareza no seu desenvolvimento ou de possibilidades de atingimento de um próximo passo. Atletas e altos executivos costumam ser pessoas significativamente ambiciosas, o que não é nenhum segredo. Porém, quando trazemos essa realidade para a organização de planos e metas, são pessoas que sabem muito bem aonde querem chegar.

A incerteza do futuro os motiva a serem pessoas mais organizadas e, consequentemente, a tomarem decisões que os tragam a maior transparência do caminho que traçarão até atingirem o próximo passo, seja ele uma promoção ou a vitória em uma próxima competição.

Fato é que as similaridades de hábitos entre atletas e executivos são muitas e nós aqui da EXEC temos o privilégio de poder conversar com profissionais com histórias inspiradoras todos os dias. Tenho certeza de que, assim como eu, ex-atletas guardam com muito carinho os aprendizados que o esporte proporciona, mas a partir de reflexões como essa, podemos concluir que todos temos um potencial “overachiever” dentro de nós e que a capacidade de elencar prioridades será determinante para sabermos o quão próximo estamos do nosso próprio pódio.

 

Rafael Di Maio – Senior Associate EXEC